Circuitos Ciência Viva distinguidos no Canadá

Os Circuitos Ciência Viva foram distinguidos com o Roy L. Shafer Leading Edge Award for Business Practice (Large Institution), um prémio atribuído anualmente pela ASTC (Association of Science-Technology Centers), a associação profissional dos museus e centros de ciência e tecnologia.

O prémio foi entregue à Ciência Viva durante a sessão de abertura da Conferência Anual 2019 da ASTC, no dia 21 de setembro em Toronto, Canadá. Na sua 15.ª edição, os Roy L. Shafer Leading Edge Awards reconhecem projetos e práticas excecionais nas categorias de Prática de Negócios, Experiência dos Visitantes e Liderança em museus e centros de ciência em todo o mundo que tenham sido implementadas nos últimos três anos.

Este prémio presta homenagem póstuma a Roy L. Shafer, membro do Conselho de Direção da ASTC durante 11 anos, incluindo dois anos como presidente. Em 1999, foi-lhe atribuído o ASTC Fellow Award for Outstanding Contribution. Após a sua morte em 2005, a ASTC instituiu o prémio como um tributo à sua visão, liderança dinâmica e compromisso com a profissão. Um júri de 14 profissionais de centros de ciência e tecnologia e museus de todo o mundo analisou e selecionou os premiados da edição de 2019.

As instituições distinguidas recebem um logótipo do prémio para utilizar nos seus canais de comunicação e material promocional, conferindo distinção e reconhecimento internacional da inovação dos projetos vencedores. Desde 2017 até meados do mês de setembro de 2019 foram vendidos 3.596 cartões, correspondentes a 12.244 utilizadores, dos quais 6.132 adultos e 6.112 crianças. Foram apresentados 10.162 cartões à entrada dos Centros, correspondendo a 33.696 visitantes.

Fundada em 1973, a ASTC representa atualmente cerca de 700 organizações que recebem mais de 120 milhões de visitantes por ano em mais de 50 países em todo o mundo. Os membros da ASTC incluem não apenas centros de ciência e museus, mas também, reservas naturais, aquários, planetários, jardins zoológicos, jardins botânicos e museus de história natural e museus para crianças, além de empresas, consultores e outras instituições que partilham um interesse pela educação científica informal. Através de alianças estratégicas e parcerias globais, a ASTC procura dar a conhecer e promover a valiosa contribuição que os seus membros prestam às suas comunidades e no campo da aprendizagem informal das STEM.

Recorde-se que o na concepção do Centro Ciência Viva de Estremoz da Universidade de Évora, foram tidos em atenção vários aspectos para que fosse, da melhor maneira possível, interligar os conteúdos abordados com as matérias leccionadas nos estabelecimentos de ensino. Houve ainda o cuidado de desenvolver e adequar actividades dirigidas especificamente para cada grau de ensino.

Para o 3º Ciclo do Ensino Básico e para o Ensino Secundário para além das visitas às exposições "Terra; um planeta dinâmica" e “Evolução; Portugal de Antes da História” o Centro oferece um vasto leque de actividades que são exploradas de modo diferente consoante a faixa etária dos alunos.

 

Publicado em 13.11.2019
Fonte: GabCom | UÉ