Universidade de Évora lidera novo projeto internacional

A Universidade de Évora coordena o projeto «RESISTANCE: Rebellion and Resistance in the Iberian Empires, 16th-19th centuries», aprovado no âmbito do programa H2020-MSCA-RISE-2017 (Marie Skłodowska-Curie Research and Innovation Staff Exchange) da União Europeia, a desenvolver entre 2018 e 2022, onde incluí investigadores de 13 Universidades do continente europeu, americano e africano.

Coordenado por Mafalda Soares da Cunha, investigadora do Centro Interdisciplinar de História, Culturas e Sociedades (CIDHEUS), da Universidade de Évora, este projeto aborda as desigualdades económicas, a exclusão social, a discriminação das minorias, a resistência cultural e a rutura da coesão social - todas preocupações fundamentais na atual agenda europeia e mundial, tanto no trabalho académico quanto na formulação de políticas. O projeto visa analisar essas questões concentrando-se nos processos de resistência protagonizados por atores sociais historicamente desfavorecidos, discriminados e dominados. Ao usar um conceito de resistência que conecta formas contínuas e menos visíveis de resistência, dissidência cultural e revoltas violentas, o objetivo final é produzir uma reinterpretação do universo dos "dominados". Desta forma, permitirá compreender como esses atores podem influenciar os processos de mudança social, seja abrindo as sociedades à diversidade e tornando-as mais inclusivas e iguais, ou, inversamente, causando o aumento da repressão. Enraizado no campo disciplinar da História, o RESISTANCE usa o passado como um laboratório para a análise. Concentrando-se nos antigos impérios português e espanhol, este projeto privilegia uma abordagem comparativa no tempo e no espaço, a fim de investigar um longo período de tempo (do século XVI a meados do século XIX) e um quadro espacial que abrange a Europa, as Américas, a África e a Ásia. As experiências passadas das suas sociedades, fortemente assentes nas desigualdades étnicas, sociais, económicas, culturais, religiosas e de género, moldam, ainda, a atual dinâmica política e social.

Para além das conclusões académicas, os investigadores propõem uma ampla gama de resultados para divulgação e comunicação, direcionados a públicos abrangentes, nomeadamente a escolas, museus, agências internacionais, grupos de reflexão, formuladores de políticas, entre outros.

A aprovação e financiamento deste projeto representam uma oportunidade de intercâmbio universitário internacional, e uma mais-valia para a formação e o trabalho de jovens investigadores, permitindo também, o desenvolvimento de parcerias entre a academia e as organizações sociais e políticas de um grupo alargado de países, numa reflexão conjunta e essencial sobre realidades socioeconómicas atuais, com raízes históricas que importa compreender. 

A equipa do projeto é composta por investigadores provenientes da Universidade de Évora, Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa; Instituto de Ciências Sociais da Universidade de Lisboa; Instituto Universitário de Lisboa; Universidad de Cantabria; Universidad de Santiago de Compostela; Max-Planck-Gesellschaft Zur Forderung der Wissenschaften Ev; Pontificia Universidad Catolica de Chile; Brown University dos EUA; Universidade de Cabo Verde; Universidade Federal da Bahia, Brasil; Universidad Nacional de La Plata da Argentina e El Colegio De Michoacán do México.

Publicado em 16.08.2017
Fonte: GabCom | UÉ